sexta-feira, 24 de novembro de 2017

novembro 24, 2017

Leblon e Nobel conseguem no Paraná recertificações de qualidade e meio ambiente com base em novas normas

Regras estão mais exigentes e focam cada vez mais os interesses dos passageiros


A Leblon Transporte de Passageiros e a Viação Nobel, que atuam na região metropolitana de Curitiba, receberam nesta sexta-feira, 24 de novembro de 2017, as recertificações de qualidade na prestação de serviços (ISO 9001) e de respeito ao meio ambiente (ISO 14001).

No caso da ISO 9001, o certificado conquistado nesta sexta tem como base as normas atualizadas de 2015, que, segundo o diretor do Grupo Leblon, Haroldo Isaak, estão mais exigentes.

“A nova ISO 9001:2015 exige mais liderança e organização da empresa. Acima de tudo, esta recertificação mostra a contínua preocupação da Leblon e Nobel em continuarem melhorando e prestando o melhor serviço à população. Nosso lema, servir com excelência â Excelência não é só um slogan. Acreditamos que os transportes de vidas, de pessoas, é uma missão que Deus nos deu. Ao atendemos com qualidade à população, servimos ao nosso Deus” – relatou.

Além de seguir uma série de recomendações sob supervisão dos líderes e gestores, uma empresa para conseguir a ISO ou sua recertificação é submetida a uma auditoria externa.

Um auditor independente passou cinco dias na Leblon e na Nobel observando como é a organização das empresas, formas de prestação de serviços, relacionamento com a comunidade e dos líderes com os trabalhadores.

A Leblon foi a primeira empresa de transportes urbanos/metropolitanos de passageiros a conquistar a ISO 9001 no Estado do Paraná, em 1997. A certificação ISO 14001 foi conquistada em 2008

Para continuar com as ISOs, uma empresa é submetida a auditorias a cada três anos para recertificações e anuais para manutenções.

“Já passamos por cerca de 40 auditorias desde a primeira data de recertificação e com certeza, a auditoria deste ano foi a mais rigorosa. O auditor conversou com os motoristas,  com os cobradores, verificou o nosso sistema de controle de operação dos ônibus, foi até o Terminal e viu tudo de perto. Nem a documentação dos veículos escapou da avaliação. Só no setor de operação, o auditor ficou dois dias” – conta o coordenador de tráfego, Nabor de Anunciação.

“Esta nova versão da ISO 9001 é mais abrangente e rigorosa. Um dos grandes diferenciais é que foca as estratégias da empresa considerando também interesses dos clientes, no caso os passageiros e a Comec – Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba, que é o poder concedente das linhas. Estes interesses é que vão ditar as regras de atuação e as estratégias da empresa. Então, precisamos entender as prioridades entre os interesses de nossos clientes, como pontualidade, por exemplo. Para isso, usamos pesquisas independentes, uma no nível nacional e outra que é realizada todos os anos com os passageiros da Leblon e da Nobel.” – explicou o coordenador de recursos humanos do Grupo Leblon, Celso Adolfato.

Muito mais que um certificado, este novo modelo de ISO, segundo os gestores do Grupo Leblon, é um atestado de qualidade e melhoria contínua.

O relacionamento da empresa com o público interno é outro ponto avaliado, evidenciando, ainda de acordo com a Leblon, o interesse pelo bem estar dos trabalhadores.

“Agradecemos sobretudo a Deus e à família Leblon, com todos os seus colaboradores e gestores, por mais esta conquista que acima de tudo é fruto de união, trabalho sério e dedicação diária para atender da melhor maneira a população e qualificar a mobilidade urbana em Curitiba, Fazenda Rio Grande, Mandirituba e região” – concluiu Haroldo Isaak.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

FOTO: Líderes do Grupo Leblon comemoram recertificação. Auditoria foi mais rigorosa e normas levam em consideração ainda mais os anseios dos passageiros

terça-feira, 14 de novembro de 2017

novembro 14, 2017

ENTREVISTA: Falta de subsídios aos transportes é o principal entrave para Brasil estar alinhado ao que há de mais avançado no mundo

É o que garante presidente e vice da Metrocard, que estiveram em feira internacional de mobilidade. Segundo os executivos, avanços tecnológicos são mais fáceis de ser incorporados que mudança de cultura e financiamento.




Sistemas de transportes públicos com aplicativos de celulares que permitem maior interação entre os operadores e os passageiros; vários serviços e comodidades a bordo de um ônibus urbano, como acesso com qualidade à internet e pacote exclusivo de entretenimento; carregadores de celulares e notebooks em qualquer ponto dentro do veículo e, principalmente, as ruas e avenidas das cidades com os não poluentes e mais silenciosos ônibus elétricos.
Tudo isso já poderia ser realidade nos médios e grandes complexos urbanos no Brasil se o poder público participasse mais e, a exemplo do que já ocorre nas cidades de países mais desenvolvidos, subsidiasse pelo menos parte dos transportes coletivos.
Os subsídios, entretanto, não deveriam ser apenas para cobrir eventuais rombos financeiros dos sistemas, mas para avanços na qualidade de prestação de serviços, melhoria da imagem do transporte público junto à sociedade (o que poderia fazer com que mais pessoas deixassem o carro em casa) e para deixar os sistemas eficientes.
A opinião é do presidente da Metrocard, associação que reúne as empresas da região Metropolitana de Curitiba, Lessandro Zem, e do vice, Haroldo Isaak.
Ambos participaram da Busworld Europe 2017, maior feira de mobilidade urbana da Europa, que ocorreu no final de outubro em Kortrijk, na Bélgica, e reuniu quase 400 expositores de 36 países.
“Enquanto tratarem o transporte público unicamente custeado pela tarifa, ficará cada vez maior o abismo das tecnologias, avanços operacionais, conforto e qualidade”, disse Lessandro.
O entendimento dos executivos vai ao encontro do que o consultor e jornalista da área de transportes, José Carlos Secco, que também esteve cobrindo o evento. Secco disse que o ônibus é um dos meios de transporte mais adequados às necessidades em relação à mobilidade e que a gestão pública, em conjunto com os operadores, deve proporcionar avanços para os sistemas no Brasil.
“O ônibus é sim um modal fundamental para a mobilidade e para o bem-estar da sociedade e é visto e tratado desta maneira no mundo afora. Não há retórica. Os cidadãos, querendo ou não, vão precisar utilizar o ônibus. É fato. Então, o dever da gestão pública, dos operadores e da indústria é prover o usuário com o melhor”, disse o consultor, que ainda destacou que os trólebus voltam a ser vistos como alternativas interessantes para aliar baixos custos de operação e preservação ambiental, relembre a entrevista neste link:  https://diariodotransporte.com.br/2017/10/30/corredor-trolebus-piso-baixo-e-conectividade-sao-tendencias-para-melhorar-transportes-nas-cidades-dizem-especialistas-internacionais/
O trólebus como tendência mundial já com modernização nos modelos também foi destacado pelo vice-presidente global da Iveco Bus, Sylvain Blaise, em visita ao Brasil, no início desta semana, durante o Iveco Bus Experience, um programa em parceria com o setor acadêmico para discutir como deve ser o transporte coletivo no Brasil.
 “A Iveco acredita sim no trólebus, que evoluiu. É uma solução de mais de 100 anos que agora volta a ser considerada pelo mundo desenvolvido pelo baixo custo e sua modernização. Hoje os trólebus possuem baterias, que permitem que trafeguem por trechos de linhas (e não somente em casos de emergência) sem estarem conectados aos fios aéreos. Atualmente, a Iveco tem cerca de dois mil trólebus em circulação” –disse o executivo. Relembre cobertura para do Diário do Transporte:
Sobre tecnologia e modelos futuros de transportes para o Brasil, o presidente da Metrocard, Lessandro Zem, ainda afirmou, ao Diário do Transporte, que o Projeto CIVI, selecionado pela prefeitura de Curitiba, num processo de manifestação de interesse, para reformular os transportes em parte da capital paranaense e da região metropolitana, reúne as principais características dos veículos e sistemas apresentados no evento internacional.
Pela proposta, seria criada uma malha de corredores de aproximadamente 100 quilômetros de extensão, divididas em cinco eixos troncais: Aeroporto/Centro Cívico; Tamandaré/Cabral; Linha Verde; Araucária / Boqueirão; e Norte/Sul.
Haverá estações subterrâneas como as de metrô, em ao menos seis quilômetros desta rede. Os ônibus seriam elétricos puros ou híbridos.
CIVI – City Vehicle Interconnect é a nomenclatura que indica que ônibus, estações, passageiros e os CCOs seriam integrados por meio de tecnologia. Cerca de 300 estações tubos seriam interconectadas por cabos de fibra ótica e os passageiros teriam wi-fi, painéis com informações sobre os horários e as linhas, além de ar-condicionado nos espaços. Hoje a ausência de ar condicionado e a defasagem dos modelos de estações-tubos estão entre algumas das críticas que recebe o sistema de transportes de Curitiba e região. – Relembre a apresentação com mais detalhes do projeto: https://diariodotransporte.com.br/2016/11/25/fetransrio-2016-curitiba-deve-ter-estacoes-de-onibus-subterraneas/
Lessandro também defendeu, na entrevista, que os empresários de ônibus se unam em prol do financiamento público dos transportes e que se modernizem.
Os empresários devem estar adaptados às mudanças de conceito da tecnologia, da produtividade, da profissionalização visando otimização de custos no sistema e defender o subsidio no transporte coletivo de forma irreversível”
CONFIRA A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA:
Diário do Transporte:  Quais as novidades que o senhor acompanhou na Busworld Europe 2017 e que acredita serem viáveis para o Brasil? 
Lessandro Zem: Há inúmeras novidades a serem implantadas, mas atualmente muito se esbarra no custo que isto refletiria nas passagens do transporte coletivo, pois no Brasil não há cultura de subsídio direto ao transporte, existe cultura que tudo deve ser pago pelo usuário, e isso prejudica muito as novidades de serem implantadas. Tais como sistemas informatizados de contagem de passageiros por câmeras, USB em todos os pontos do veiculo (para carregamento dos celulares), publicidade diversa no interior do coletivo seja via display ou bancos, sistema de interatividade via aplicativos, bagageiros internos, e a maior tendência: de ônibus 100% elétricos/ híbridos.
Diário do Transporte: Em relação aos transportes na Região Metropolitana de Curitiba, o que é tendência no mundo e que ainda não foi aplicado no sistema, mas poderia?
Lessandro Zem: USB em vários pontos do veículo, sistema de entretenimento via aplicativo, publicidade via display, bagageiro interno e câmeras de contagem e segurança, lógico que tudo novamente relacionado ao custo de implementação.
Diário do Transporte:  Como, na visão dos especialistas e expositores, deve ser o ônibus do futuro? 
Lessandro Zem: Em sua maioria elétricos/híbridos e com muita tecnologia a bordo.
Diário do Transporte: Diante do que o senhor viu no evento, em que o Brasil está adiantado e no que estamos atrasados?
Lessandro Zem: No Brasil, em razão da cultura, a bilhetagem eletrônica é mais avançada, visando a segurança e uso indevido dos cartões.  Mas ainda estamos atrasados nas implementações efetivas na disposição das tecnologias para usuários e operadores.
Diário do Transporte: A Metrocard, juntamente com a Volvo e com um grupo de construtoras, tem o projeto CIVI, para a capital e região metropolitana. Em linhas gerais, no que este projeto é compatível com as tendências que o senhor acompanhou no evento? 
Lessandro Zem: No projeto realizado nesta parceria estamos totalmente alinhados ao que foi exposto no evento, tudo muito ligado à interconectividade, tecnologia a disposição dos usuários e operadores e a tendência de ônibus híbridos/elétricos, e na linha de PPP- Parceira Público Privada que existe subsídio pelo poder público.
Diário do Transporte: Em relação ao financiamento dos transportes, hoje no Brasil, basicamente feito somente pelas tarifas. Como os especialistas internacionais veem a questão e o que serve para o país? 
Lessandro Zem: Este é o nosso maior problema: enquanto tratarem o transporte público unicamente custeado pela tarifa, ficará cada vez maior o abismo das tecnologias, avanços operacionais, conforto e qualidade... Exemplo disso é que temos várias leis que nos proíbem inclusive de realocarmos mão de obra para uma requalificação, veja o caso dos cobradores. A tendência mundial é tudo automatizada, para redução de custos e maior aproveitamento operacional das estruturas, visando sempre a qualidade, conforto, atratividade, ao buscar um custo atrativo ao usuário.


Diário do Transporte: Falamos dos sistemas, bilhetagem e modelos de ônibus do futuro. E como devem ser os empresários de ônibus e os passageiros do presente-futuro? Em que precisamos evoluir? 
Lessandro Zem: Os empresários devem estar adaptados às mudanças de conceito da tecnologia, da produtividade, da profissionalização visando otimização de custos no sistema e defender o subsidio no transporte coletivo de forma irreversível, pois sem ele infelizmente não haverá transporte coletivo sustentável e que possa trazer o que são aplicados nos países europeus. E o passageiro do futuro deve estar alinhado com o mundo tecnológico de aplicativos, pagamentos virtuais, sentir o beneficio do transporte coletivo sobre o individual... enfim.... avaliar que o ônibus é mais rápido, seguro, que tem maior qualidade de vida e que seu custo é extremamente positivo a ele.
Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

FOTO 1:
Presidente da Metrocard, Lessandro Zem, e vice-presidente, Haroldo Issak, em feira internacional de mobilidade urbana. Sistema de Curitiba ainda é referência, apesar da necessidade de atualizações e melhorias.
FOTO 2:
Ônibus elétrico da Volvo com a “recarga de oportunidade”. Baterias podem ser recarregadas de forma rápida no meio do percurso.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

novembro 13, 2017

GENTILEZA: UMA OBRIGAÇÃO DE TODOS TEM SEU DIA. VAMOS REFLETIR E PRATICAR?

Pequenas atitudes que deveriam ser hábitos diários podem mudar uma situação para melhor
ADAMO BAZANI



Os principais dicionários classificam como gentileza a postura de amabilidade e respeito ao próximo, ou seja, atos que devem ser praticados por quem é gente.
Entretanto, em muitas ocasiões, parece que estes atos estão cada vez mais raros, principalmente onde há aglomeração de pessoas, como em estádios, shows, transporte público e, acreditem, até mesmo em celebrações religiosas, por incrível que possa parecer.
Mas você sabia que a gentileza, algo que deve ser um hábito diário, tem uma data especial para ser comemorada e debatida?
É dia 13 de novembro – Dia Mundial da Gentileza. A data surgiu no Japão, em 1996, quando em Tóquio, grupos se reuniram para propagar as ideais de como melhorar os relacionamentos das pessoas, em especial em ambientes coletivos.
No transporte público, as queixas de falta de gentileza de todas as partes são recorrentes, seja por parte dos motoristas, cobradores, fiscais e sim, dos passageiros também.
Situações que elevam o estresse, como metrô, trem e ônibus lotados, calor, frio, chuva, demora, atrasos, congestionamentos .... nada disso pode ser pretexto para falta de educação.
O primeiro passo para agir com gentileza e gerar gentileza é ver a outra pessoa como gente: um ser humano que tem dores, cansaços, aflições, pressas, sonhos....tudo igualzinho a você.
E pequenas atitudes podem mudar uma situação e melhorar seu deslocamento e das outras pessoas.
Parece óbvio o que vai ser dito, mas, se é tão óbvio assim, por que nem todos praticam? Então, vale a pena relembrar:
- Respeite os lugares de idosos, pessoas com deficiência, gestantes, entre outros passageiros que têm este direito.
- Se você, idoso, gestante e pessoa com deficiência, foi ajudado por algum passageiro, que cedeu o lugar, agradeça com sorriso e satisfação. Sim, é seu direito, mas o que custa ser gentil, retribuir e incentivar um gesto louvável?
- Não use mochila nas costas ou qualquer outro volume que atrapalhe a circulação dentro do ônibus ou vagão (carro metroferroviário).
- Sempre procure deixar as saídas do ônibus ou vagão (carro metroferroviário) livre. Se não vai descer em um determinado ponto ou estação, não fique nas portas, se possível.
- O ônibus demorou? O motorista parou longe do ponto? Não discuta. Exerça seu papel de cliente dos transportes: anote o número do ônibus, horário e linha e entre em contato com a empresa ou para a gerenciadora pública de transportes. Ah sim, e na hora de reclamar, seja por telefone, internet ou qualquer outro meio, seja educado também. E, preferencialmente, objetivo. Fale do que ocorreu e pronto!
- Diferenças físicas, raciais, sociais e de opção religiosa, sexual, entre outras, devem ser respeitadas.
- Mantenha os ônibus, vagões, estações, terminais e pontos limpos. Ninguém é obrigado a suportar a sujeira dos outros. Procure levar um saquinho plástico no bolso, como as sacolinhas de supermercados, para jogar restos de alimentos, papéis de bala, chicletes e outras embalagens.
- O transporte público é um ambiente coletivo, mas nem por isso, a individualidade deve ser deixada de lado. Assim, não toque nas outras pessoas sem necessidade, não ouça músicas ou programas de rádio sem o fone de ouvido e não fique encarando ninguém.
- O motorista deve sempre responder caso o passageiro deseje “bom dia”, “boa tarde” e “boa noite”, respeitar o ritmo mais lento de idosos e de pessoas com mobilidade reduzida, dar informações sempre que possível e dirigir com respeito e responsabilidade. O profissional de transporte deve entender que neste país de desemprego, ele só está empregado por causa desse passageiro, que é o seu cliente e seu patrão. O motorista de ônibus deve entender que não é um operador de veículo grande, mas é um atendente da população. Se serve para dirigir, mas não serve para atender, melhor mudar de profissão. As principais empresas de ônibus fazem treinamentos para seus profissionais atenderem melhor às pessoas, mas têm certas posturas de educação que nem precisa de treinamento para saber que são certas ou erradas.
E para todos: educação e gentileza devem ser hábitos, cabem em qualquer lugar e, acima de tudo, é obrigação para quem vive em sociedade.
Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

terça-feira, 7 de novembro de 2017

novembro 07, 2017

EM PARCERIA COM SEST/SENAT, LEBLON E NOBEL APLICAM TREINAMENTO DE DIREÇÃO DEFENSIVA PARA MOTORISTAS

Foram quatro grupos. Capacitações ocorrem de seis em seis meses



ADAMO BAZANI

Para melhorar o atendimento por parte dos motoristas e aumentar a segurança de passageiros, funcionários e comunidade em geral, em parceria com o Sest Senat, a Leblon Transporte de Passageiros e a Viação Nobel realizaram treinamentos de direção defensiva para os condutores.
As empresas atuam na capital paranaense e em cidades da região metropolitana de Curitiba, como Fazenda Rio Grande e Mandirituba.
Os treinamentos foram divididos em quatro grupos. Ao todo, 40 motoristas foram requalificados.
De acordo com o técnico de segurança do trabalho do Grupo Leblon, Marcelo de Oliveira, os trabalhos são destinados aos profissionais da empresa que, de alguma forma, se envolveram em incidentes. O objetivo do programa não é punitivo e nem apurar culpa do motorista, mas auxiliá-lo a melhorar no atendimento à população. Segundo Marcelo, com treinamentos deste tipo, todos na comunidade tendem a ganhar.
“Os nossos treinamentos de direção não visam apenas à parte técnica da condução de um ônibus. Procuramos fomentar motoristas mais conscientes de seu papel na sociedade e enfatizamos que estes são profissionais que prestam um direito social, que é o transporte público.  A população merece funcionários, capacitados.”
Os treinamentos ocorrem de seis em seis meses e são ministrados por instrutores do Grupo Leblon e do Sest/Senat – Serviço Social do Transporte/ Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte.




Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes


FOTO:
Uma das turmas de motoristas beneficiados por treinamento

Fotos

Receber Newsletter