quinta-feira, 13 de junho de 2019

junho 13, 2019

MOTORISTAS E COBRADORES DE CURITIBA DECIDEM NÃO ADERIR À GREVE GERAL


Curitiba, 13 de junho de 2019 | 15h20
   
Nesta semana, de segunda-feira (10) até hoje, o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc) realizou assembleia nas empresas da categoria consultando os trabalhadores sobre interesse de aderir à greve geral e paralisar as atividades nesta sexta. A decisão da maioria dos trabalhadores foi não paralisar.

junho 13, 2019

Como são feitas as mudanças nas linhas de ônibus

Alterações só podem ser feitas com autorização da Comec e são baseadas em critérios técnicos tendo de favorecer a maioria dos passageiros

Recentemente, o sistema de linhas de Fazenda Rio Grande passou por uma série de alterações para melhorar a prestação de serviços.
Um sistema de transportes é dinâmico e deve acompanhar as mudanças sociais, econômicas e de perfis de deslocamentos que ocorrem nas cidades.
Em qualquer lugar do mundo, toda a alteração de linhas, horários, frota e atendimentos deve ser pensada em favorecer a maioria dos passageiros. Obviamente, que nem todos vão se agradar das alterações, mas tudo deve ser feito pensando na coletividade.
Em Fazenda Rio Grande, o comportamento dos deslocamentos é monitorado de forma constante pelas equipes da Leblon Transporte e Viação Nobel.
O sistema de monitoramento eletrônico gera um banco de dados que, por sua vez, são transformados em estatísticas para estudos. As empresas também realizam o monitoramento diário com os profissionais em campo, ou seja, nas linhas e terminais.  As impressões dos passageiros, registradas pelo telefone, site e Facebook, também são levadas em conta.
A Comec – Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba, órgão do Governo do Estado, avalia os estudos das empresas e também faz seus próprios estudos e monitoramento, criando mudanças, e consequentemente autoriza as empresas operarem estas. 
O Grupo Leblon acha importante dar esta satisfação e entendimento ao seu cliente, para esclarecer todo o trabalho que existe por trás de uma mudança de linha.
Assim, em resumo, toda alteração operacional deve reunir os seguintes aspectos:
- Toda mudança deve ser baseada em critérios técnicos
- Antes de qualquer mudança, são realizados estudos e levantamentos que consideram a demanda, a sustentabilidade da linha, os impactos no trânsito e as condições operacionais, como a estrutura viária e a incidência de fatores externos à atuação da empresa, como congestionamentos ou alterações significativas do sistema viário.
- As mudanças devem atender à coletividade, ou seja, a maior parte dos passageiros de uma determinada linha ou comunidade.
- As alterações devem acompanhar as mudanças sociais, econômicas e de perfis de deslocamentos da cidade e região metropolitana
 - São mantidos canais abertos de relacionamento com o passageiro, que pode registrar suas impressões e sugestões
- Nada impede que alterações sejam revertidas ou mesmo passem por reavaliação dependendo das necessidades
Grupo Leblon Transporte de Passageiros.

Fotos

Receber Newsletter